4 poemas de Beatriz Vignoli

Beatriz Vigonoli nasceu em Rosário, Argentina, em 1965. Atua como poeta, romancista, jornalista e tradutora. Também trabalha como crítica de arte, tendo sido colaboradora em diversos jornais impressos argentinos como o Clarín, Buenos Aires Herald e La nacion. Entre seus mais de dez livros publicados, destaca-se Arbol Solo, Soliloquios e Kelpers. Seu trabalho ainda é inédito na língua portuguesa. Os quatro poemas abaixo foram traduzidos pela arquiteta, poeta e tradutora Camila Assad.

Hitler invadiu a Polônia

(uma canção de amor)

Hitler invadiu a Polônia

com aviões, soldados e tanques

e não me atrevo a ligar

para o seu telefone fixo do meu celular.

Hitler invadiu a Polônia

sem se preocupar com o que o mundo iria pensar

já que tinha poder suficiente

para matar quem não estivesse de acordo

e não consigo decidir se te mando um e-mail

porque sei que essas coisas te impressionam.

Hitler invadiu a Polônia

no inverno de 1939

e não te visito porque está frio em sua casa.

Vou esperar até a primavera

e então pensarei melhor no que fazer.

Não quero ser exigente,

Não devo me permitir cruzar suas fronteiras.

Hitler invadiu a Polônia

massacrando tudo em seu caminho

e eu não te procuro no Facebook,

Eu não te procuro no Skype,

Eu não posso discar o seu número

Eu não consigo me decidir.

É sábado à noite e estou com saudades.

Confio nos meus poderes extra-sensoriais

e te envio sinais telepáticos

que magicamente te farão pensar em mim.

Hitler invadió Polonia

(una canción de amor)

Hitler invadió Polonia

con aviones, soldados y tanques

y yo no me animo a llamar

a tu fijo desde mi celular.

Hitler invadió Polonia

sin preocuparse de lo que opinara el mundo

ya que tenía poder suficiente

para matar a quien no estuviera de acuerdo

y yo no me decido a mandarte un email

porque sé que te dan impresión esas cosas.

Hitler invadió Polonia

en el invierno de 1939

y yo no te visito porque en tu casa hace frío.

Voy a esperar hasta la primavera

y entonces pensaré mejor qué hacer.

No quiero resultarte demandante,

no debo permitirme traspasar tus fronteras.

Hitler invadió Polonia

masacrándolo todo a su paso

y yo no te busco en Facebook,

no te busco en Skype,

no logro marcar tu número,

no logro decidirme.

Es un sábado a la noche y te extraño.

Confío en mis poderes extrasensoriales

y te envío señales telepáticas

que mágicamente harán que pienses en mí.

Tradutores

Diga a eles que te paguem em diamantes:

o colega e sua saudação apressada

enquanto milhares de palavras traduzidas

a um centavo de dólar cada

escorregavam como areia miúda

por aqueles relógios únicos e antigos

que eram todo o tempo de suas vidas.

Traductores

Deciles que te paguen en diamantes:

el colega y su saludo apresurado

mientras miles de palabras traducidas

a un centavo de dólar cada una

se escurrían como arena de minutos

por esos relojes únicos y antiguos

que eran todo el tiempo de sus vidas.

Fechadura

Peguei o caleidoscópio e a morfina.

Um minuto para olhar os quadrados azuis

na quartinho azul, as cenas marinhas;

uma trégua até que tomem o controle.

Agora sou eu o câncer, o inimigo interno,

a água que sobe até as bordas.

Tomara que aprendam a fechar a porta:

por dentro somente deserto e por fora o mar.

Cerradura

Me llevé el calidoscopio y la morfina.

Un minuto para contemplar los cuadros azules

en el cuartito azul, las escenas marinas;

una tregua hasta que tomaron el relevo.

Ahora soy yo el cáncer, el enemigo interno,

el agua que sube hasta los bordes.

Ojalá aprendan a cerrar la puerta:

adentro puro desierto y afuera el mar.

Inquilinos

A noite é uma guerra

mental. Sonho de noite com a noite,

com intrusos, batalhas invisíveis.

Na eterna fadiga, o dia é apenas

o sol que sustenta, imóvel.

O mate e seu ritmo: possuir o território,

ocupar a terra, suportar o ataque

marítimo do telefone e seu grito.

Olhar pela janela, não esperar nada,

Pagar a trincheira onde se agoniza:

o dia rasgado pelo desastre entre os livros.

No mero ser, o sangue se vai, a vida

se perde em ganhar o lugar onde nascemos.

Inquilinos

La noche es una guerra 

mental. Sueño de noche con la noche,

con intrusos, batallas invisibles.

En la eterna fatiga, el día es sólo

sol que sostiene, inmóvil,

el mate y su ritmo: tener el territorio,

ocupar el terreno, aguantar el embate

marítimo del teléfono y su grito.

Mirar por la ventana, esperar nada,

pagar la trinchera donde se agoniza:

día arrancado al desastre entre los libros.

En el mero estar se va la sangre, la vida

se pierde en ganar el lugar al que nacimos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s