No céu que acorda sem dormir, Patrícia Peterle

“Cansaço da sanguinolenta

inabitável primavera

um cão vira-lata fareja a única passagem”

(A.Zanzotto)

No asfalto, passos descompassados.

Suspensas vidas

vidas que esperam

outras vidas.

Germe de girassol,

húmus passagem fértil

no grão da terra

poeira de pólvora

no céu que acorda sem dormir

A constelação, outra natureza,

química combinação.

As papoulas murchas no cinza.

As raízes embaixo se apressam.

Patricia Peterle (1974) nasceu em São Paulo, cresceu no Rio de Janeiro e mora em Florianópolis. É crítica literária, tradutora e professora de literatura italiana da Universidade Federal de Santa Catarina. Tem vários ensaios dedicados à escrita poética e seus poemas foram publicados Acrobatas, Mallamargens, Ruído Manifesto, Revista Sepé, Palavra Comum, Mirada Janela Cultural e Subversa-literatura luso brasileira.

https://www.facebook.com/patricia.peterle

Instagram: @patriciapeterle

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s