A mãe que não pariu

Era velha, vetusta

Centenária

A Mãe que não pariu.

Era viúva, pobre

Esquecida

A mãe que não pariu.

Lá!

Longe o eco da civilização

Não chega

O filho que desejava

E nunca veio

Também nunca partiu.

Apego? Negligência? Mistério?

O filho cristalizado no ventre

Carregou sem o saber.

60 anos a mãe gestou

Um filho que não pariu

Filho desejado, olvidado

Um cristo crucificado e entranhado.

Era centenária, viúva, esquecida

Aquela gestante petrificada,

Agora ascendida a curiosidade científica.


FRANCIS KURKIEVICZ é poeta, professor de Filosofia e Criação Literária. Natural do Paraná, vive em Vitória/ES onde se dedica à poesia. Publicou o livro de poemas B869.1 k96 (Patuá) e o livro infantil Meninices (Ayatori).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s